sábado, 10 de junho de 2017

Conselhos de um gato, preto.

A aceitação vem de dentro.
Leia, mesmo que você não tenha pretensão de seguir este conselho


Humanos, um dos meus incentivos para continuar escrevendo neste blog é a possibilidade de poder ajudar tanta gente que está por ai e que podem estar passando pelas mesmas coisas que passei um dia. Um dia daqueles que me senti perdido e confuso.

Sabe, se eu ao menos tivesse alguém que me dissesse que tudo aquilo era normal e que as coisas ficariam melhores, teria sido muito mais fácil para mim. É muito bom poder compartilhar nossos medos e dores com alguém que tenha a capacidade de nos compreender. Nada mais calmante - durante o desespero esmagador - que um : "tá tudo bem  amigo, vai ficar tudo bem, amanhã ou depois isso passará. Até palavras como: "amigo, hoje é pior que ontem, mas pode ser melhor que amanhã", já serve para acalentar a alma desesperada - ou ferrar tudo de uma vez!

Um dia - ou uma noite, não sei - conversando com minha professora, questionávamos o que era a felicidade e o que era ser/estar feliz. Depois de algumas horas dialogando, não chegamos a lugar algum e, não descobrimos nada de novo sobre o assunto além do que vemos nos filmes, novelas e livros que contam histórias de amor e felicidade. Ela me olhou, sorriu, despediu-se e apenas disse: "Não sei,  sejamos felizes então. Pode não haver nada além do aqui-e-agora, então... Podemos descobrir que fomos enganados o tempo todo, vai saber..." A aceitação - da dor ou felicidade - vem de dentro de nós mesmos. 

Não há como esperar que as pessoas nos aceitem se nós não nos aceitamos primeiramente. É a mesma coisa que fazer as regras, mas não segui-las. Eu cheguei muito perto de fazer alguma besteira, no entanto consegui superar. Sim, foi difícil. Foi um processo longo e doloroso. Imaginem se todas as pessoas que estão no armário - entenda por armário qualquer empecilho, seja ele psicológico,  moral, religioso, politico ou social, que impedem você de viver o que realmente gostaria de ser -  decidissem viver em plena harmonia com sua vida/sexualidade?

Bem, acho que não podemos mais definir um padrão para a diversidade sexual pois, pela minha experiência, há muito mais pessoas do que nós podemos imaginar que querem explorar - ou já estão explorando - as outras faces da elasticidade que é a  sexualidade humana. 

Sejamos felizes então. Se não der hoje, tentaremos amanhã ou depois. Afinal, passaremos uma vida toda tentando acertar, não é?

Nenhum comentário:

Postar um comentário