sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

"Pode ter certeza, eu sempre fico por perto..."


   "Sempre foi difícil falar de sentimentos cara-a-cara. Sempre me faltaram as palavras. Sinto-me constrangido, pequenino, insignificante. Em especial para consolar alguém, as palavras parecem-me sempre triviais, e que não representam o que realmente sinto. Admiro genuinamente aquelas pessoas que, ao consolar alguém que perdeu um ente querido, por exemplo, conseguem encontrar as palavras certas para transmitir conforto (mas não os que apenas dizem alarvidades). Eu nunca o consegui. Fico com um nó na garganta, que não deixa sair nada, mas por outro lado quase me sufoca. E por ali fico, minúsculo, envergonhado, acabrunhado, com vontade de fugir e de me esconder bem longe. Mas não fujo - apesar de ser a única coisa positiva que consigo fazer é ficar por perto...
Pode ter certeza, eu sempre fico por perto..."

Nenhum comentário:

Postar um comentário