sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

" Ser professor gay não é uma tarefa fácil... Mas não deixei de viver, de procurar ser feliz."

     No meu processo auto aceitação em ser gay (não sei porque mas tenho preconceito com a palavra "homossexual", prefiro falar "gay" mesmo !), eu fui muito abençoado por Deus, por ter colocado pessoas bem especias na minha vida.Aqui eu me refiro na minha família, que me aceitou de uma forma inacreditável quando eu revelei ser gay, e também de outras pessoas que estão há muito tempo nesta caminhada lutando pelos direitos de expressão de gênero.
    Tenho um amigo que é muito especial para mim.Ele me emocionou com sua história de vida ao mesmo tempo que me motivou a enfrentar a minha.Hoje, nesta sexta-feira 13 (peculiar, não acha?) fiquei mais feliz ao receber um texto seu contando um pouco mais de sua história e ao mesmo tempo me agradecendo por também ser um alguém que o motivou nas suas  tomadas de decisões.Lógico que pedi autorização dele para postar aqui, e vou fazer com maior prazer. Obrigado!

Faça o que precisa ser feito. Antes que seja tarde...
(O título acima refere-se a uma postagem que fiz contando a sua história)


 Começar um texto com a frase de um dos post do meu anjo menino é realmente uma homenagem a ele... há muito queria sentir o que estou sentindo agora: alívio, liberdade...
   Não sei o porque sou assim? Não sei quais foram os motivos divinos para que eu nascesse com esta missão aqui na Terra. Mas nasci assim... e é assim que sou feliz...  SOU GAY...
     Durante todo o meu processo de auto aceitação, que demorou, que não foi nada fácil, que deixou marcas, que foi doloroso, eu tive a graça de poder conversar com pessoas que eu digo ‘iluminadas’. Foi graças a estas conversas, a estas pessoas que fui me fortificando, me conhecendo e, o principal, fui me aceitando como sou.
    Conversas com pessoas que me fizeram entender que não é pecado, que não é errado, que simplesmente... é assim. Não tenho que explicar o que é ou como é ser gay... vivo isso e assim sou feliz...
     Ser professor gay não é uma tarefa fácil... ainda mais pra mim que trabalhei em cidade pequena por muitos anos...
    O ter de se portar, se comportar, ser exemplo... e tantas outras coisas que os colegas professores diziam e que a própria sociedade dizia... Somente quando eu me aceitei como sou e resolvi ser feliz assim é que passei a questionar algumas coisas: ser exemplo de que? Exemplo para quem? Exemplo por que?
Exemplo de hipocrisia que se priva de ser feliz para parecer algo pras pessoas? Exemplo de pessoa certinha, “sepulcro caiado” que por fora é uma cosia e por dentro é outra?
     Não, dei meu grito de alforria. Não era isso que eu queria pra mim.
     Me comportaria sim como professor, mas não mascararia o que sou. Tentaria fazer o meu trabalho que melhor maneira possível, pois sei da ampla responsabilidade que tenho ao ser educador.
     Mas não deixaria de viver, de procurar ser feliz.
    Acho que me sai bem, apesar de tudo e de todos e todas... Pois tive respostas extremamente positivas referentes ao meu trabalho, a maioria não mensuráveis, mas tudo bem. Eu as interpreto como resultados positivos de meu trabalho.
     E me fortaleci quanto pessoa, quanto Rafael (codinome)... aprendi muito, vi muitas coisas, sofri muito, festei, brinquei, briguei, falei, ouvi, cantei, dancei, pulei, corri... Hehehehe...
     Mas, neste tempo todo, havia uma coisa que apertava meu coração...
     Minha família não sabia sobre mim, ou, até provavelmente sabia, mas não era da minha boca que ouviram.
     Durante estes tantos tempos desde que me aceitei como sou, quis contar pra minha família: mãe, irmã e irmão.
     Sei que eles sabem sim, por diversas coisas... Principalmente pelos desdobramentos da relação platônica, inesperada, profunda e apaixonante referente ao meu primeiro grande amor... Uma situação complexa e que chegou ao ouvido dele sim, mas não sei bem de que maneira...
     Com minha irmã conversei meio por cima pelo celular... mas com os outros não...
     Neste ínterim, ocorreu a morte da minha mãe. Este fato fez com que três dos irmãos estreitassem bem mais os laços de afetividade existente entre eles. E eu tive a graça de poder contar ainda mais com minha irmã e com meu irmão.
     Mas o fato de não ter contado pra minha mãe, de não ter conversado com ela remoia ainda minhas lembranças e meus sentimentos... Fato esse que fez com que eu chorasse na presença de meu anjo quando ele me visitou numa ocasião extremamente especial.
      O abraço, o carinho e a compreensão dele naquela noite, e depois nossas conversas e o acordo que fizemos foi o que me deu forças pra enfrentar mais um desafio: eu mesmo falar com minha irmã.
     Aproveitando de alguns fatores externos e tal... hoje, por incrível que pareça uma sexta-feira 13 (kkk) foi a noite abençoada...
      Após a novela, quando ela veio ao quarto pra dar um boa noite, pedi que ela lesse a postagem de meu anjo. Após a leitura eu falei quem eu era...
      “Não pude eu mesmo falar pra minha mãe, mas pra você eu quero, posso e preciso falar. Você é uma das pessoas mais importantes pra mim e quero que você saiba pela minha boca... eu sou gay...”
     Foi uma coisa incrível... Nossa conversa fica entre nós, mas posso dizer que amo ainda mais minha irmã por ela me aceitar como sou e me dar forças pra procurar ser feliz...
     Selamos mais uma vez o nosso amor de irmãos, de seres humanos, de filhos e filhas de um mesmo pai com a pureza das lágrimas e com o ósculo da felicidade fraternal...
     Sinto que nossa mãezinha estava olhando por nós de lá onde seja que ela está...
     Livre de um grande peso, aliviado, tranqüilo e feliz... é assim que me sinto agora...
     Obrigado meu Deus por ter colocado pessoas especiais em minha vida...


“É claro que as pessoas precisam de uma outra que as completem. O vento que sopra em uma delas também vem soprar na outra.”
"Era uma pessoa igual a cem mil pessoas. Mas, eu fiz dela um amigo, agora ela é única no mundo!" (Antoine de Saint-Exupery)



2 comentários:

  1. AGORA ACHEI!
    excelentes textos! ser professor e gay! o melhor amor foi o amigo1 deixam a gente pensando em muita coisa! parabens pelo estilo literario, pode ter certeza que esta troca de experiencias ajuda muita gente! abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Desculpe a demora por responder, mas eu também estou seguindo o seu blog e aprendendo muito com você! Obrigado.

      Excluir