sexta-feira, 23 de março de 2012

Quando omitido os fatos reais, surgem as lendas...[e vice-versa]


Era uma vez, numa pacata cidade chamada Crisalis Florida, foi o berço que  deu  origem á mais terrivel das criaturas já conhecidas pelo homem: O lobisomem.
Para narrar esta história vou lhes apresentar um homem qualquer desta cidade, Arlindo dos Santos.
Um homem comum chamado Arlindo. Humilde, trabalhador, inteligente, com uma mulher e  filho para sustentar. Bons amigos, muito sociável,etc...
Arlindo tinha uma vida razoável, digamos que era um homem que não podia reclamar da vida. Tinha uma esposa maravilhosa, um filho muito inteligente e um trabalho gratificante.Enfim, podemos dizer que ele era feliz.Um dia, depois de um longo dia de trabalho, Arlindo chegou em casa e percebeu que não estava satisfeito com sua vida:  Arlindo trabalhava o dia todo, chegava em casa, abraçava seu filho e esposa, jantava, assistia o futebol (quando não era novela!). Fazia amor com sua mulher três vezes na semana e ia dormir. No outro dia começava tudo de novo. Isso se repetia á oito anos.Arlindo precisa mudar alguma coisa em sua vida. Isso era urgência. A gota d'agua para Arlindo mudar sua vida radicalmente foi descobrir que seus amigos solteiros se divertiam muito. E Arlindo começou a sair com estes amigos.Nada que um homem desesperado para alimentar seus desejos não faria. Arlindo começou a se aventurar de uma maneira extremamente discreta. Ia tomar uma cerveja com seu colega de trabalho. Jogar bola com seus amigos. Bem, coisas tipicas que custam tempo e geralmente acontecem a noite depois do expediente.Sua mulher começou a sentir sua falta.Mas o que Arlindo escondia é que saia se divertir com os amigos. E a cada noite que saia ele ia mais longe, ele ousava experimentar cada vez mais do que era proibido.Quanto mais o tempo passava, mais Arlindo queria experimentar a noite.Porém naquela cidade todo-mundo conhecia todo-mundo. Arlindo não tinha mais como aguentar. Ia concretizar o que desejou nos últimos dias.Numa noite de lua cheia, la pelas duas da manhã, Arlindo deixou sua mulher e seu filho dormindo e saiu. Saiu pelas ruas da cidade a pé. Sim ele estava a pé, não podia ligar o carro de madrugada para não acordar ninguém.
Coincidentemente,nesta noite de lua cheia, a cidade passou a ser aterrorizada por um ser peludo, com garras afiadíssimas, meio homem, meio fera...Arlindo estava sozinho na rua de madrugada. Ele se sentia só. Era noite e a lua estava cheia.(tenso....).Subitamente, Arlindo ergue os olhos amedrontados pela sensação de solidão da madrugada e enxerga uma figura horripilante e sedenta vindo por trás da penumbra!

Arlindo não pode fazer mais nada a não ser fechar os olhos e esperar que sua morte fosse mais rápida possível. Porém algo inexplicável acontece. O monstro para frente de Arlindo.Grita muito, rosna, mas não ataca. Parece que uma luta é travada, por horas e horas, dentro da fera. Então, ao amanhecer... Arlindo acorda apenas com duas marcas roxas no pescoço e com as costas toda arranhada por unhas bem afiadas. Não há mais tristeza em seus olhos. O corpo nu de Arlindo está ao  lado do corpo de sua esposa. A dia amanheceu.E tudo começou novamente.Logicamente, que Arlindo teve que contar toda a história para sua esposa. Teve que explicar o aparecimento de tais marcas misteriosas em seu corpo.E sua esposa contou a uma amiga, que contou ao esposo, que contou ao chefe, que contou ao jornalista que foi até Arlindo e o entrevistou para publicar uma matéria no jornal.A lenda correu toda a cidade. Todos ouviram falar sobre o homem que saiu de casa de madrugada e voltou todo roxo no pescoço e arranhado nas costas porque um animal feroz o atacou na rua.A cidade ficou amedrontada. Desde aquele dia, muitos homens de coragem deixavam suas esposas e filhos em casa para ir caçar a tal fera, na madrugada. Mas nunca obtiveram exito. Porém eram sempre atacados. Sempre com marcas iguais e nos mesmos lugares pelo corpo.

A cidade nunca mais voltou a ser a mesma.

2 comentários: