quarta-feira, 15 de maio de 2013

"Amor, Dualidade e Ódio"


Prólogo: "Lembranças (de um futuro?)"
Estes últimos meses, eu aprendi mais sobre mim mesmo do que jamais esperava saber. Acabei conhecendo os monstros que vivem sob a minha pele que faz minha antiga vida parecer distante, apenas memórias. Como alguém que conheci: "era uma vez" e meia. Esqueci. Um lembrete incômodo de que a pessoa que me tornei não é necessariamente a melhor pessoa que poderia ser. Mas, amigos, eu sobrevivi ao caos do sofrimento físico e psicológico. Eu costumava sempre me dizer que era um pesadelo e logo iria acordar. Jamais acordei e ainda tive que aceitar este pesadelo como parte de minha nova vida. Ou inútil, mesmo. Até pensei que poderia ser algo aceitável e/ou especial. Eu estava errado. Desde aquele momento eu só queria voltar no passado. Voltar a vivenciar tudo o que acontecia na minha vida há muito, muito tempo atrás...
Ato I: "Mentiras Doerão Um Dia"
Eu cresci com todas as suas más intenções. Eu cresci pensando "o que seria de mim se nunca tivesse te conhecido?" Porque com certeza, sabendo que você me mudou mais do que eu gostaria de admitir. Mais do que eu sempre quis. Eu não sou o mesmo menino-homem que você se apaixonou. Aquele se foi. Se você  quiser continuar a me amar, vai ter que me conhecer novamente. "Você já tentou?" Uma vez que é tão fácil fingir amar alguém nos dias de hoje e muito mais difícil realmente dizer e fazer isso de uma forma diferente a cada dia. Nunca mais minta novamente. Isso é uma coisa que não vale a pena fazer. Não há uma terceira chance...
Ato II: "O Esquecer"
Toda vez que eu penso em você me transformo em uma pessoa diferente e surge um sentimento diferente. Tanto que eu não tenho a menor idéia de quem eu sou. E você está preso em mim.  Falando em silêncio. Isso me vira a cabeça a quilômetros de distância, mesmo quando não estamos falando, ainda assim não podemos esvaziar os espaços que costumavam ocupar na mente um do outro. Eu juro que, mesmo quando estou ocupado em esquecer você, você é a única coisa gravada na parte de trás das minhas pálpebras cada vez que eu pisco. Você está em todos os lugares, mesmo quando não te quero ou você não me quer. Você está em todos os lugares, mesmo quando eu acho que posso te esquecer. E eu ainda estou na ponta da língua toda vez que você faz um novo amigo ou fala com um conhecido. Mas acredito que, nem eu nem você, vai admitir isso. Nós não podemos evitar o pensamento sobre o problema, e isso está ficando difícil.
Ato Final: "Amor, Dualidade e Ódio"
Talvez nós apenas estamos indo para trás. Não é este o mesmo lugar que estávamos anos atrás? Não estamos desesperadamente tentando ser alguém diferente por ser o mesmo que era antes? Às vezes, eu me pergunto "qual é a coisa mais insignificante que eu já fiz para você? Ou a que te fez sentir mais dor? E amor? ". Eu faço as minhas escolhas como elas vão me definir, mas em seguida (três dias depois), eu não consigo lembrar o tom exato dos seus olhos ou o que eu estava usando a primeira vez que nos beijamos. Eu percebo que meu cabelo ainda é uma completa bagunça, e eu ainda não posso falar com você sem gaguejar. E que você ainda está desaparecido. Que não há mais nada a dizer. E depois de tudo isso, a única coisa que posso pensar é como nós dois somos mentirosos, como eu ainda quero amar você, e como eu realmente não quero perdê-lo mesmo odiando.

Nenhum comentário:

Postar um comentário