domingo, 20 de setembro de 2015

"A morte do último dragão"

"Era uma vez, num reino muito, muito distante, fadas, dragões, elfos e demais criaturas mitológicas viviam harmoniosamente entre si.
Mas, não era em todo mundo que a paz reinava. No reino de Paetêpurpurinawisky, vivia o mais perverso dragão. Este dragão era mal, muito mal. E odiava os seres que não se vestiam bem, que não curtiam pop, que não liam bons livros. Ele odiava a mesmice das fadas, os elfos mesquinhos, os orcs que não estavam na moda. Ele era muito sexy e malvado, seu corpo de dragão era coberto por escamas de diamantes e quando sobrava alguns xens (dinheiro dragonês) ia assistir aos shows das divas drogônicas nos reinos vizinhos. E assim a maldade reinava naquele mundo brilhante e fashion.
Um dia, um ser desconhecido  invadiu o seu reino, e estava armado até os dentes, suas línguas era assustadoras. Dragões, fadas, elfos e todas as criaturas de todos os continentes uniram-se para tentar livrar-se da criatura estranha e apavorante a qual foi nomeada de humansapiem pelos dragônianos.
A guerra durou muitos anos. Todos os dragões, elfos e fadas foram dizimados. Já não restava mais ninguém e o brilho das purpurinas nas montanhas haviam desaparecido das terras dragonianas. Na batalha final entre o último e mais perverso dragão, o ser terrível gritando em nome de seu Deus, usou sua arma mais poderosa, o intolerencespreconceitus e matou o dragão. Fim."

Um comentário: