terça-feira, 4 de agosto de 2015

"Cidades de chuva" (conto, cap 1)

Das Crônicas "Viagens de um menino voador":

Capítulo 1
O desaparecimento
Hoje faz um ano que eu desapareci pela primeira vez. Faz exatamente trezentos e sessenta e cinco dias que as pessoas estão desaparecendo repentinamente sem motivo algum. No início tive muito medo, fiquei confuso e entrei em pânico. Minhas tentativas de falar com outras pessoas sobre tais desaparecimentos me renderam problemas familiares, perdas de emprego e muitas visitas a psicólogos e psiquiatras. Sim, neste mundo em que apenas eu percebo as pessoas desaparecerem, sou tratado como doente mental. Sou apenas mais um  paranoico, ou psicótico, no mundo, e óbvio que ainda me chamam de tantos outros nomes  quando não estou por perto que nem consigo imaginar. O que posso dizer é que todos os desaparecimentos acorrem somente nos dias de chuva. Ultimamente adotei o silêncio como estilo de vida e observo  calado o desaparecimento das pessoas, que sido cada vez mais frequente. Vivo uma rotina angustiante, tentando adivinhar quem será o próximo a desaparecer  e não tenho ninguém qual posso pedir ajuda. Muitos amigos e até pessoas da minha família sumiram de repente e nunca mais voltaram. Estou com medo de desaparecer também com a chuva. A vida  me aprontou uma ironia cruel tornando a chuva, antes minha melhor amiga confidente, em meu maior pesadelo real. Estou em desespero.
Chuva
"Eu te amava chuva, com você ninguém podia ver que eu estava chorando.
Toda minha dor ficava escondida em suas gotas enquanto eu estava morrendo lentamente.
O medo em meus olhos era o único vestígio do meu sofrimento, então eu os fechava e sorria.
Ninguém além de você, chuva, precisava saber quem eu realmente era."

Capítulo 2
A chuva
Em pé, com frio, estava esperando a chuva passar para que eu pudesse ir trabalhar. Depois de quase uma hora olhando os carros passarem com suas janelas embaçadas, percebi que algo estranho estava acontecendo lá fora. Algo normal não estava acontecendo lá fora. Sim, este era o problema: nada normal estava acontecendo.

Continua...


Nenhum comentário:

Postar um comentário