segunda-feira, 8 de abril de 2013

"Ele era tudo, mas chorou um dia..."


Das crônicas "Viagens de Um Menino Voador":

"Homens não choram!"


Hoje, o mundo se abriu e me engoliu por inteiro. Tudo de bom se foi e o que é ruim ficou. E tudo que já era ruim ficou ainda pior. Hoje o AMOR transformou-se em ÓDIO. E as vozes na minha cabeça, essas malditas vozes gritando, me fizeram enlouquecer ainda mais. Meu riso ficou silencioso e as terríveis vozes continuaram lá - mesmo sendo diagnosticado pelo meu médico como acufenos* e feito tratamento, elas continuam a me aterrorizar. Parecem rir da situação que me encontro. Criam sons assustadores em minha cabeça e matam todas as possíveis palavras agradáveis que poderiam sair da minha boca...
[...]
Cansado da tristeza e do medo, hoje quis lutar contra eles. Hoje lembrei  de muitos momentos felizes.  E eu consegui ver nitidamente o que era o motivo da minha tristeza: o mesmo motivo da minha alegria no passado. Os mesmos motivos que me faziam gritar de felicidade, hoje me faz arder em tristeza. Acho que toda minha felicidade era uma fachada. Não, não era. Eu tinha o coração e a mente puros. Eu sabia que não estava fazendo mal á ninguém. Eu sabia, mas acho que me sentia realmente feliz por ser puro, de bom coração e sem maldade nenhuma. Então onde estava a fachada em minha vida? Como não pude ver o banner vermelho flamejante escrito "farsa"? Como não pude ter uma desconfiança sequer? Como pude ser um idiota adulto tão inocente? Por não conseguir ver, por acreditar em integridade humana, caráter e no amor incondicional ao próximo, eu sofri as consequências. E hoje estou aqui chorando. Como pode alguém - humano - deixar isso acontecer, não é verdade? Ops, talvez viver uma mentira fosse mais fácil. Não com consequências tão desastrosas assim. Fazer outra pessoa sofrer, estando consciente disto (e muito!) não existe justificativa aceitável. Isso é detestável. Envergonha. Enfurece. Entristece. Destrói sonhos...
[...]
"Ele nunca te amou". Doeu e eu chorei. "Ninguém o ama." Aí eu discordei. "Por que você continua amando e esperando por ele?" Eu o amo. Chorei. Ninguém mais me apóia nesta loucura eu realmente estou sozinho agora. "Por que você continua agarrado a esses sonhos? Estes sonhos estúpidos infantis de um 'futuro melhor'? De um 'final feliz'? De unidos na 'saúde e na doença', no 'amor e no ódio'...?". Medo talvez, medo de chegar um dia que terei que enfrentar pesadelos reais e só ele - que já os enfrentou - poderia me ajudar. "Você é um menino idiota. Olhe para você. Você não é nada. Ninguém se importa se você foi muito longe demais e descobriu sozinho coisas que te fazem sofrer." Verdade, mas nada que estava em mim, fez outras pessoas sofrerem. "Porque isso realmente não importa. Você não vê isso? Você não importa.Você não é nada. Poof!!! e você se foi." E o mundo continuou para ele. Ele só vai continuar a vida de onde ele parou antes de te conhecer. Simples assim - ele mesmo que disse...
[..]
"O que você esta fazendo para superar tudo isso?" Eu choro. Estou chorando todas as noites até dormir.
Eu choro até o nada existir. Esperando que esta dor vá embora e que minha alma possa descansar e eu dormir em paz. Tudo o que eu quero fazer era deixar de existir para não sentir por um momento esta dor. Queria minha vida de volta.  E todos os meus momentos felizes. Onde nada importava. Eu não tinha medo do meu amanhã. Não existia efeitos colaterais em nada do que eu fizesse - hoje tudo mudou, tudo tem efeitos. Hoje só queria uma coisa: fazer isso ir embora! "Faça tudo isso ir embora, por favor, me ajude..." Ou então, eu posso ser deixado sozinho, como o mundo quer que eu seja. Então, eu posso estar sozinho. Só eu, minhas lágrimas e meu travesseiro...
[...]
Pela manhã elas se vão, e ninguém sabe que eu chorei até dormir...

Nenhum comentário:

Postar um comentário